quinta-feira, março 29, 2012

Primavera



Abrindo de par em par

as portas do palácio:

A PRIMAVERA


Matsuo Bashô

terça-feira, novembro 03, 2009

quinta-feira, julho 02, 2009

domingo, maio 17, 2009

Paul Thek

"n.T.: (from the serie Television Analyzations)" , 1963
Paul Thek (1933-1988)

sexta-feira, maio 15, 2009

terça-feira, janeiro 20, 2009

the time has come

44º Presidente dos Estados Unidos da América

sexta-feira, janeiro 09, 2009

the complete last sitting







Revi este magnífico álbum e para além da repetida perplexidade perante esta beleza que suspende e ilumina, perpassa sempre a questão "Qual a imagem que teria de si própria?" ou "Porquê a sua constante anulação?". Morreria, pouco tempo depois, aos 36 anos.

domingo, dezembro 21, 2008

...
- Depois, veio o coelhinho...
- Não, não. O Coelhinho foi com o Pai Natal e o Palhaço no comboio ao Circo!

banda sonora do dia

2007

domingo, dezembro 14, 2008

EXPLICAÇÃO DA LUZ

O azulejo lava a sua luz

Tem o brilho
Do movimento exacto
Dos seus vestidos

E o seu rosto é limpo.
Com as suas próprias mãos
Sem acabar se acaricia.

A luz lava o brilho
Do azulejo. A luz o lava
No seu vestido

E o seu rosto é um.
Com as próprias mãos
O quebra e inicia.



EXPLICAÇÃO DAS MARÉS

O navio atravessa o sentido dos corpos

As casas vomitam a luz pela janela
Do enjoo das casas naufragam
As mulheres



Daniel Faria, Explicação das Árvores e de Outros Animais. Fundação Manuel Leão, 1998.

domingo, novembro 23, 2008

boa notícia


homens de carácter
são cada vez mais difíceis

sexta-feira, novembro 21, 2008

W. B. YEATS

MEDITAÇÃO EM TEMPO DE GUERRA

Numa pulsação de artéria,
Sentado naquela velha pedra cinzenta,
Debaixo da velha árvore quebrada pelo vento,
Soube que o Uno é animado,
A humanidade inanimada fantasia.

1921

terça-feira, novembro 11, 2008

trailer

Cedric Klapisch (2007)


Fatih Akin (2007)

sábado, outubro 25, 2008

Greguerías


O beijo é fome de imortalidade.

Os beijos são como selos do correio: há os que colam e os que não colam.

Os haikai são telegramas poéticos.

O relógio não existe nas horas felizes.

O cinema nasceu quando as nuvens paradas das fotografias se puseram sa mexer.

Só o poeta tem relógio de lua.

O deserto penteia-se com pente de vento, a praia com pente de água.

O pó está cheio de velhos e esquecidos espirros.

Um segundo é igual aos séculos: é um século em miniatura.

sexta-feira, outubro 10, 2008

de boa memória


20/10


céptica* curiosidade
porque a memória, dizem, sempre pesa.

* (vou ter alguma dificuldade em abdicar do 'p' do meu 'cepticismo', não me agrada sobremaneira aligeirá-lo)

terça-feira, setembro 30, 2008

New York

Wall Street, 1920

Time Square, 1935

segunda-feira, setembro 29, 2008

rui calçada bastos






Fundação Calouste Gulbenkian (Agosto.07)

terça-feira, julho 08, 2008

terça-feira, maio 13, 2008

Hoje tive um dia de cão, de um cão faminto e magro que vi em Mansoa. Um dia de merda é um rascunho de BD, perto de um dia vira-lata. Agora recebo uma sms/corrente com a Nossa Sra de Fátima - "passa a cinco pessoas", "não quebres". Não me surpreendo. E o dia ainda não terminou. Famélico.

sexta-feira, abril 04, 2008

só para chatear


por ora, continuo a gostar

ginástica+vitaminas+antioxidantes+genes=The Full Madonna

quinta-feira, abril 03, 2008

continuação de contemplação

E agora
aguardando pacientemente por "Sempre de Mim", novo álbum de originais desde "Pelo Dia Dentro" (2001)!

só um pretexto para contemplação


Mr. Mojo risin' = Jim Morrison

domingo, março 30, 2008

a ressurreição passou por aqui

depois de vislumbrar este actor do qual só sei que é comediante e que se chama Adel Karam*

depois de mais Beirute

depois de Caramel de Nadine Labaki

*post scriptum

quinta-feira, janeiro 03, 2008

... and a happy new year!

sábado, novembro 17, 2007

sábado, outubro 27, 2007

teledisco

belíssimo!

in Lon Gisland de Beirut (2007)

domingo, outubro 14, 2007

por acaso...




You Belong in Amsterdam



A little old fashioned, a little modern - you're the best of both worlds. And so is Amsterdam.
Whether you want to be a squatter graffiti artist or a great novelist, Amsterdam has all that you want in Europe (in one small city).

domingo, outubro 07, 2007

sábado, outubro 06, 2007

Reconciliada com as memórias

Eu no espelho
colada com cola
mais bela
do que dantes
como o prato Zen
que tem as fracturas
sublinhadas
com ouro
obra da fortuna
má e boa
obra da falta de afecto
e do afecto
Narciso e anti-Narciso
viver para crer

Adília Lopes (1993)

quarta-feira, setembro 05, 2007

trailer

“I hate it when they look like Tarzan but sound like Jane.”
Mysterious Skin, Gregg Araki (2004)

quarta-feira, julho 04, 2007

terça-feira, julho 03, 2007

eco

Os letrados ignorantes

O analfabeto é feliz e não se arma em carapau. Já o letrado ignorante é convencido, logo idiota. Acha que sabe, mas está enganado. O letrado ignorante é como aqueles revisores que emendam palavras difíceis, garantindo que são gralhas, e grafam outros termos mais comuns. E mudam alegremente «cultual» em «cultural», «corográfico» em «coreográfico», «teleológico» em «teológico», «polução» em «poluição». Deus nos livre dos letrados ignorantes.
(Estado Civil, 2.7.07)

daqui

segunda-feira, julho 02, 2007

Chuck Close

Lucas, 1988
Self-Portrait, 2005

terça-feira, junho 26, 2007

Ignorance

Strange to know nothing, never to be sure
Of what is true or right or real,
But forced to qualify
or so I feel,
Or Well, it does seem so:
Someone must know.

Strange to be ignorant of the way things work:
Their skill at finding what they need,
Their sense of shape, and punctual spread of seed,
And willingness to change;
Yes, it is strange,

Even to wear such knowledge - for our flesh
Surrounds us with its own decisions -
And yet spend all our life on imprecisions,
That when we start to die
Have no idea why.

Philip Larkin, The Whitsun Weddings (1964).

segunda-feira, junho 25, 2007

domingo, junho 17, 2007

Tróia.Agosto.2006
Quero um erro de gramática que refaça
na metade luminosa o poema do mundo,
e que Deus mantenha oculto na metade nocturna
o erro do erro:
alta voltagem do ouro,
bafo no rosto.

Herberto Helder

quinta-feira, maio 31, 2007

BANDA SONORA DO DIA

Variation on the Word Sleep


I would like to watch you sleeping,
which may not happen.
I would like to watch you,
sleeping. I would like to sleep
with you, to enter
your sleep as its smooth dark wave
slides over my head

and walk with you through that lucent
wavering forest of bluegreen leaves
with its watery sun & three moons
towards the cave where you must descend,
towards your worst fear

I would like to give you the silver
branch, the small white flower, the one
word that will protect you
from the grief at the center
of your dream, from the grief
at the center. I would like to follow
you up the long stairway
again & become
the boat that would row you back
carefully, a flame
in two cupped hands
to where your body lies
beside me, and you enter
it as easily as breathing in

I would like to be the air
that inhabits you for a moment
only. I would like to be that unnoticed
& that necessary.

Selected Poems II: 1976-1986 by Margaret Atwood. 1987

sexta-feira, maio 25, 2007

Marlene Dumas

Passion, 1994
"My best works are erotic displays of mental confusions (with intrusions of irrelevant information)." Marlene Dumas

segunda-feira, maio 21, 2007